Brasil chega a 52 milhões de acessos à Banda Larga Móvel

29/05/2012 20:42

A Huawei, em parceria com a Teleco, divulgou o “Balanço Huawei da Banda Larga” com dados consolidados do 1º trimestre de 2012 para a banda larga fixa e móvel no Brasil.

Em janeiro, a Anatel promoveu uma uniformização dos critérios de contabilização dos acessos móveis. Com a revisão e as adições líquidas no trimestre, a banda larga móvel chegou a 52 milhões de acessos, entre aparelhos celulares e terminais de dados (modems), no trimestre. Dados mais recentes, do mês de abril, indicam que este número já atingiu 54,3 milhões ou, aproximadamente, 28% de penetração da banda larga móvel no Brasil.

Projeções da Teleco apontam que o Brasil deve terminar 2012 com 73 milhões de acessos de banda larga móvel, alcançando 124 milhões de acessos em 2014, ano em que o país sediará a Copa do Mundo.

O estudo mostra também que, no 1º trimestre de 2012, metade dos 5.565 municípios brasileiros estava atendido por banda larga móvel, equivalendo a 85% da população coberta, número já superior à meta estabelecida pela Anatel para 2016. No período, 258 novos municípios, que compreendem 4,1 milhões de pessoas, começaram a ser atendidos por este serviço.

Outro dado relevante é o contínuo aumento da participação de 3G no total de celulares do Brasil que atingiu 20,3% da base e, pela primeira vez, a quantidade de acessos GSM em números absolutos caiu de 199,5 milhões em dezembro de 2011 para 197,5 milhões no final de março deste ano.

A receita de dados continua a crescer aceleradamente, registrando aumento expressivo de 44,2% entre 1T11 e 1T12, estimulado pelo aumento da venda de smartphones. A receita de voz também continua crescendo: a taxa foi de 8% na comparação entre os mesmos períodos acima. Porém, a expectativa é de menor participação de voz no total da receita das operadoras ao longo do tempo, fazendo os serviços de dados cada vez mais importantes como fontes de crescimento.

Quanto aos planos de serviço oferecidos pelas operadoras, no pós-pago, todas estão cobrando por volume de dados. Em geral, ao consumir a franquia de dados o usuário continua com acesso ao serviço, mas com uma velocidade reduzida. Planos pré-pagos também estão sendo oferecidos por todas as operadoras; algumas adotaram pacotes de dados por dia, por semana, por quinzena ou por mês.

A média de preços no Brasil para pacotes de 500 MB, 1 e 2 GB está muito acima dos valores praticados em outros países. A carga tributária e a taxa de câmbio afetam esta comparação.

 
Fonte: adNews e evernet.com.br