Origem dos Nomes dos Municípios Paulistas.

14/02/2012 21:19

 

>Mariápolis (híbrida, portuguesa e grega): Homenagem a Maria Bata, mulher de Juan Bata, presidente da Companhia colonizadora, que começou seu povoamento. Fundada em 1911, foi distrito de Adamantina até dezembro de 1953, quando se emancipou.

>Marília (portuguesa): Homenagem a personagem Marília de Dirceu, do romance de José de Alencar. A Ferrovia Paulista avançava para o Interior, fundando uma estação na região onde hoje está Marília. Como os nomes das estações seguiam ordem alfabética, e era a vez da letra M, acabaram dando o nome de Marília a cidade, fundada em 24 de dezembro de 1928, pois um dos donos das terras acabara de ler o livro e gostara muito da história.

>Lucélia (portuguesa): Terras onde viviam Luiz Ferraz de Mesquita e sua mulher, Cecília Mendes de Mesquita. Lucélia se deve a união desses dois nomes. A colonização teve início em 1920, com a chegada de imigrantes. Em 1929, foi aberta uma clareira na mata virgem, onde foi construído o primeiro rancho. Virou Município em 1944.

>Adamantina (portuguesa): Devido ao progresso de Marulha, a Cia. Paulista de Estradas de Ferro decidiu batizar com nome de mulher outra estação que abriria, reiniciando uma nova seqüência alfabética com Ada, que mais tarde virou Adamantina. Ganhou autonomia em 24 de dezembro de 1948.

>Araçatuba (tupi): O nome é atribuído a existência na região de muitos araçás, arbustos cujos frutos são muito apreciados. Foi promovida a município em 08 de dezembro de 1921, deixando de ser distrito de Penápolis.

>Bastos (portuguesa): O povoado surgiu a partir de 1928 em terras da fazenda Bastos, formada por 12 mil alqueires e localizada a oeste da cidade de Tupã. No mesmo ano, passou a distrito de Marília e, em 30 de novembro de 1944, foi elevada a município.

>Birigüi (tupi): Aglutinação de mberu (mosca) com i (diminutivo), é uma referencia aos insetos que atacavam os viajantes de passagem pela região. Foi fundada em 07 de dezembro de 1911, como distrito de Penápolis. Ganhou o status de município em 08 de dezembro de 1921.

>Caiabu (tupi): No Vocábulo tupi-guarani Português, do professor Silveira Bueno, o termo é definido como olho d’água, mas, segundo a prefeitura local o verdadeiro significado é terra do fogo. O fato é que o nome é o mesmo desde a localidade virou município, há 42 anos. Antes, era conhecida como distrito de Santo Antônio, pertencente a cidade de Regente Feijó.

>Dracena (portuguesa): A povoação começou em setembro de 1945. Curiosamente, seu nome foi escolhido em concurso realizado em Tupã. Dracena é uma planta de folhagens verdes e amarelas que só nasce em regiões férteis. Virou município em 24 de dezembro de 1948.

>Flora Rica (portuguesa): Inicialmente chamada Vila Rica, por ser a região próspera e muito fértil, foi fundada por José Firpo em 1944. Ele loteou parte de sua fazenda, dando início ao povoado. Mudou de nome em 1954, com a emancipação de Pacaembu. Adotou o nome atual porque já havia um município em Minas Gerais.

>Flórida Paulista (portuguesa): Seus sertões começaram a ser desbravados em 1941. Recebeu o nome devido as muitas flores silvestres encontradas em suas matas. Elevada a município em dezembro de 1948.

>Pracinha (portuguesa): Surgiu em 29 de novembro de 1941, com o nome de Maripá, em homenagem aos proprietários das terras, Mário de Oliveira e Paula de Oliveira. O atual nome foi dado em 30 de dezembro de 1948, quando emancipou-se do município de Lucélia, em homenagem aos pracinhas, ex-combatantes da Segunda Guerra Mundial.

>Inúbia Paulista (híbrido, tupi e portuguesa): Ganhou esse nome em razão de terem sido encontradas no local trombetas de índios, chamados inúbias. Foi fundada em 1940 e ganhou autonomia de Lucélia em 18 de fevereiro de 1959.

>Irapuru (tupi): A Região é conhecida pela vasta agricultura. E este foi o motivo que os primeiros imigrantes de várias regiões do Estado foram para lá. A origem do nome é nebulosa e em tupi significa pássaro que não é pássaro. Alguns historiadores acreditam que o tal pássaro seja um a lenda indígena. Virou município em 30 de dezembro de 1953, deixando de ser distrito de Pacaembu.

>Jaú (tupi): Homenagem ao peixe com este nome que era caçado pelos bandeirantes paulistas na Barra do Ribeirão. O lugar ficou conhecido como Barra do Ribeirão do Jaú. As terras onde seria constituído o povoado ficava entre o Rio Jaú e o Córrego da Figueira. Ergueu-se uma igreja e a vila ficou conhecida como Capela de Nossa Senhora do Patrocínio do Jaú. Em 6 de fevereiro de 1889, foi elevada a categoria de cidade.

>Junqueirópolis (híbrida, portuguesa e grega): Homenagem ao fundador Álvaro de Oliveira Junqueira. Surgiu em junho de 1945 de um aglomerado de choupanas e um boteco. Moravam na região desbravadores que foram em busca de solo fértil. O bandeirante Álvaro de Oliveira Junqueira comprou as terras e passou a vendê-las por preço baixo, facilitando o povoamento do lugar.

>Presidente Prudente (portuguesa): A cidade foi fundada em 12 de setembro de 1917 pelo coronel Francisco de Paula Goulart, com o nome de Vila Goulart. A emancipação aconteceu em 28 de novembro de 1921. Na época, cada município que se criava recebia o nome de um presidente da República. Neste caso. Presidente Prudente de Morais (1994-1898).

>Presidente Venceslau (portuguesa): O aparecimento da antiga povoação de Coroados aconteceu em 1921, com a chegada da Estrada de Ferro Sorocabana na região. O atual nome foi uma homenagem ao Presidente da República Venceslau Brás, que governou de 1914 a 1918. Em 13 de maio de 1927 passou a ser município.

Quer saber sobre a origem dos nomes de mais algumas cidades?

Acesse o link da fonte: http://www.perguntascretinas.com.br/2006/11/01/origem-dos-nomes-dos-municipios-paulistas-cidades/